Wilfred – A série melhor amiga do h@mem.

Wilfred – A série melhor amiga do h@mem.

postado em: Mãe, eu que fiz! | 0

Passeando pelas plataformas de Streaming de Vídeo (sim, existe mundo vida fictícia fora da NetFlix), me deparei com uma série simples e muito divertida: Wilfred!

Nada contra a NetFlix, muito pelo contrário. Acho que a queridinha da America ainda continua indo muito bem em seu conteúdo próprio.

Acontece que este algoritmo à la Google demora para trazer novidades. Ae tem que pesquisar, ir atrás de indicações e blá blá blá.

Considerando que minha internet é da Net, isso pode demorar alguns bons minutos e tudo o que eu queria era ver um seriado, só isso.

Resumindo, assino também a Amazon Prime e Claro Vídeos.

E é nesta última que está Wilfred.

Wilfred

Tudo começou com um curta metragem que virou série de televisão na Austrália e acabou com quatro temporadas nos Estados Unidos.

A premissa parece e é bem simples: um homem e o cachorro.

E talvez seja esta simplicidade que a deixa tão interessante.

É Estrelada por Elijah Wood – que por sinal fez ótimos trabalhos estranhos ao longo de sua carreira. Porém, é Jason Gann quem rouba a cena. Na opinião deste humilde editor, claro.

Wilfred

História

Elijah interpreta Ryan, um advogado depressivo que, desde sua decisão frustrada de se matar, acaba por tentar reerguer sua vida sem maiores expectativas.

Jason é Wilfred, o cão da vizinha de Ryan, que leva sua existência neste plano como qualquer outro cachorro: sem saber que é parte de uma existência neste plano.

Mas, é na junção destes dois personagens que a história ganha vida e muita cor. Não aos olhos de Wilfred, claro. Você já vai entender.

Acontece que Jenna, vizinha, dona do cão e amor platônico de Ryan, decide pedir ao vizinho que cuide de seu pet.

Detalhe que é justamente na noite que Ryan decide se matar.

Suicídio evitado, Ryan aceita o pedido de seu amor secreto e começam ali episódios de muita discussão filosófica e humor negro sobre a vida no ponto de vista dos cães.

Sim, porque Ryan enxerga Wilfred como um homem vestido de cão.

Despirocado

Wilfred é aquele ou aquilo que todo mundo gostaria de ser ou de ter ao seu lado.

Sem papas na língua e com poucas noções de ética, como todo cachorro que se preze, é ele quem instiga Ryan a mover-se e sair da inércia do pensamento pseudo intelectual da sociedade contemporânea.

Se a máxima diz penso, logo, existo, Wilfred prefere pensar que existir é para logo! A vida não pode parar. Pensar nas consequências é um luxo que deve ser evitado. Ou não. E melhor se for entre um cigarrinho de baseado e outro.

Naftalina Humor - Wilfred - wl

Humor Negro

Wilfred pode não se encaixar gostos de todos, mas cai como uma luva para alguém que não se incomoda por palavrões e, às vezes, humor vulgar.

Eu acredito que isso é porque a crueza é suavizada pela inteligência.

Atuação

A atuação é aguda e astuta e, no caso de Wilfred, sua mordida é pior do que o latido.

Além de conversar, beber e ficar chapado, Wilfred se comporta como qualquer cachorro. Não para ser clichê, mas Gann usa a roupa de cão perfeitamente.

Ele é amável e doce, embora mais vezes impetuoso. Você sente que ele precisa de uma correção dada por um jornal enrolado, mas na verdade se vira e dá aulas e compartilha sua sabedoria que Ryan pode levar a sério.

A naturalidade do de ser cão é evidente e adorável na interpretação de Gann

São pequenas situações em que se revela um cão genuíno, como da vez em que se irritou com a quantidade de perguntas de Ryan sobre sua existência, respondendo: ah, porque isso, porque aquilo, porque o céu é cinza, por que a grama é cinza, porque o sol é cinza, porque, porque! Como saber?

Além de ser apaixonado e manter relações sexuais explicitas com seu urso de pelúcia.

Enfim

Enfim, ainda estou na segunda temporada.

Já sei que a critica não gostou muito, mas…

Quer algo Netflix? Leia este post!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *