Harry Potter: Hogwarts Mystery | Crítica

Harry Potter: Hogwarts Mystery | Crítica

postado em: Mãe, eu que fiz! | 0

Dia 25 de abril foi lançado Harry Potter: Hogwarts Mystery, o jogo para celular mais esperado pelos Potterheads dos últimos anos.

O jogo é um RPG que permite a criação de personagens próprios, onde o jogador é escolhido para uma das casas pelo Chapéu Seletor. Já na escola, ele pode assistir as aulas como poções e defesa contra as artes das trevas, praticar feitiços e resolver enigmas.

O anúncio ainda trazia a informação de que Harry Potter: Hogwarts Mystery contaria com a participação de atores e atrizes que participaram dos filmes. Entre eles o professor Dumbledore (Michael Gambon), a professora McGonagall (Maggie Smith), o professor Flitwick (Warwick Davis), Irma Pince (Sally Mortemore), Papoula Pomfrey (Gemma Jones) e Rolanda Hooch (Zoe Wanamaker)

Aguardado como uma nova experiência, todos imaginavam que poderiam viver em Hogwarts como um aluno de verdade. Mas não demorou muito tempo para os jogadores perceberem detalhes realmente muito estranhos.

 

As participações

Uma das coisas mais aguardadas no jogo eram as dublagens, feitas pelos atores originais da saga. Bem, não demora muito para percebermos que eles não narram de fato o jogo. No inicio, na introdução, até temos uma narração feita por Maggie Smith, mas durante o jogo ouvimos apenas gemidos. O que é bastante frustrante.

 

A Jogabilidade

Clicar: É tudo o que você deve fazer

Outro ponto bastante frustrante sobre o jogo é a sua jogabilidade. No início não podemos explorar Hogwarts pois grande parte do castelo está trancada, mas estes locais vão sendo desbloqueados ao longo do jogo. Porém, não há grande motivação para explorar o castelo, a não ser para tocar no cenário buscando ganhar pontos de energia (já falo sobre isto). Não há mistérios a serem desvendados em lugar algum além da história que nos é contada.

Outro ponto que causa muita estranheza. Você não tem desafios! Você é direcionado de um lado para outro pela história do jogo, que indica claramente onde deve ir e o que fazer. Nem isto é desafiador. O jogo nem ao menos nos deixa procurar por uma sala. Ela está lá, num clique de distância.

Escolher uma resposta? Só se não quiser ganhar pontos!

Também não há desafios durante as aulas, perigos ou duelos. Você deve apenas tocar na tela quando solicitado. Até mesmo os diálogos são direcionados. Quando algum personagem faz uma pergunta, há um indicativo na tela de quantos pontos você ganhará em cada resposta, deixando claro qual é a resposta mais acertada. Sim, você pode escolher outra resposta, mas não ganhará os pontos indicados.

Quando algum feitiço é solicitado, o jogo lhe mostra como deve fazer o feitiço. Como já estudamos estes feitiços nas aulas, aqui poderiam pelo menos solicitar o gesto correspondente, e definir se foi certo ou não.

Dito isto, podemos resumir o jogo como apenas uma história que você está ali para ver. Você tem o poder de escolher alguns detalhes desta história, mas nada muda de fato.



 Pontos, pontos, pontos

Sendo morto por um Visgo do Diabo? Espere ou pague!

O jogo possui uma das formas de jogabilidade mais irritantes nos jogos de celular. Você precisa de pontos de energia para fazer determinadas tarefas. No início do jogo são 25 pontos de energia, que você vai gastando conforme a atividade que está exercendo. Algumas aulas gastam mais pontos do que isto, então você tem duas possibilidades: Esperar recarregar os pontos (4 minutos para cada ponto) ou PAGAR.

Sim, você pode pular a parte de esperar os pontos carregarem se pagar, em dinheiro de verdade! Você até tem a opção de gastar diamantes para comprar os pontos de energia, mas eles são difíceis de ganhar dentro do jogo, o que torna impossível usá-los como opção nestes momentos.

Então o jogo basicamente se resume ao jogador esperar alguns minutos, ou horas, para ganhar os pontos de energia necessários para passar de cada tarefa.

 

Dinheiro, dinheiro, dinheiro

Agora entendemos os Weasleys e suas vestes de segunda mão!

Outro ponto muito frustrante. Você até tem várias opções de roupas, cabelos e assessórios para usar no seu personagem, mas eles custam muitas moedas ou diamantes. Alguns trajes custam tanto que o jogador é praticamente impedido de usá-los, a não ser que compre, de novo com dinheiro de verdade, moedas ou diamantes para desbloqueá-los.

Para os Potterheads, fica a decepção de ver um jogo com tanto potencial desperdiçado num estilo de game caça níquel.

 

 

Vale a pena jogar?

O jogo traz uma história anterior aos eventos narrados em Harry Potter. Como história, até vale a pena ver um pouco mais sobre aquele universo. Vemos personagens conhecidos e outros personagens amados são mencionados. Sentimos que há algum mistério por trás daquilo tudo, mas está encoberto sobre uma montanha de moedas e diamantes.

Se você for fã da saga vale sim. Vale a pena voltar a ver algumas partes do castelo, principalmente as salas comunais que não são mostradas nos filmes. É bom ver estes ambientes, mas você vai se divertir muito mais se não estiver procurando um jogo. Pois como jogo, Harry Potter: Hogwarts Mystery deixa muito a desejar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *