Georges Méliès e a Homenagem do Doodle

Georges Méliès e a Homenagem do Doodle

postado em: Mãe, eu que fiz! | 0

Imagine a cena: você ouve falar de uns irmãos que inventaram uma máquina que capta imagens reais em movimento e as transmite em uma tela. É 1895 e isso é um tanto quanto desafiador. De repente você é um dos expectadores da primeira exibição de cinema da história. Um de repente depois, você é a pessoa que revolucionou esta técnica. Que é você? Georges Méliès.

Se a invenção do cinema é creditada aos Irmãos Lumière, é de Georges a revolução desta arte. Quando apenas se captava a imagem real, este ilusionista inventava técnicas para criar a ilusão que tanto nos encanta hoje.

Aliás, já assistiu Vingadores: Guerra Infinita? Veja se concorda com nosso comentário do filme, com spoiler, aqui.

Entretanto, é importante dizer, vamos convencionar dizer que foram os Lumière os inventores do cinema. Afinal, o cinema, ou um slideshow de imagens contrapostas era uma atração nos circos da década de 1890.

Resumindo: se os Lumière inspiram-se nos slidswos para criar o cinema, Méliès tornou este cinema uma viagem fantástica.

Por isso é chamado de o pai dos efeitos especiais e dos primeiros filmes de ficção científica.

Georges Méliès

Considerado um dos melhores ilusionista de sua geração, foi um gênio à frente de seu tempo.

Inquieto e imaginativo, acumulou por sua vida, que se estendeu de 1861 a 1938, uma vasta coleção de profissões ligados a criatividade, como desenhista, desenhista, caricaturista, decorador, entre outros.

Mas, foi depois de assistir a primeira exibição dos Lumière que se fez marcar para a história. O Cinematógrafo e a projeção lhe abriam uma porta gigantesca para criar ainda mais ilusão, tornando o céu o limite quando se tratava de iludir. E foi para lá que levou a sétima arte e seu público.

Entretanto, foi mais do que apenas responsável pelos efeitos especiais. É de Georges a evolução dos estúdios de cinema, do roteiro e dos gêneros cinematográficos.

Porém, não foi a história sua maior fã.

Apesar de citado por ícones com Charlie Chaplin, Méliès não teve o reconhecimento que merecia. Mesmo tendo em seu currículo mais de 500 filmes.

Le Voyage dans la Lune

Talvez seu filme mais famoso, é de 1902 e foi baseado na obra de Júlio Verne.

Calcado no imaginário de Ícaro, de alcançar lugares apenas imagináveis, Georges nos entrega visualmente o que o fim do século XIX pretendia viabilizar. Novas tecnologias e ideias surgiam com o fordismo industrial, o uso do petróleo, da energia elétrica e dos primeiros testes com balões. Ir aos céus era um sonho. E Georges nos colocou para sonhar.

Apesar de não haver falas o filme tem muito a dizer. Sãos os picos sonoros que desenham uma linha narrativa emocional. Os desenhos harmônicos da música clássica do filme geram ênfase discursiva, tornam a obra um experimento incrível.

Mas, são os efeitos especiais que marcam as cenas.

Primeiramente pela escolha do autor, Júlio Verne, precursor da ficção cientifica literária, escreveu sobre a corrida espacial. Corrida essa que se mostrou mais tarde viável, como maquinas espaciais de acoplamento, por exemplo.

Sob o olhar de Georges Méliès, é na estadia da missão na lua que observamos tais efeitos especiais oníricos. Estrelas, cometas, paisagens lunares, aspectos terrestres e o aparecimento e desaparecimento de personagens formam a tecnologia em efeitos especiais.

Georges filmava a mesma cena inúmeras vezes e pausava a ação para retirada de objetos. Eram esses os truques considerados avançados para a época.

Citações à Alice no País das Maravilhas, First Man in the Moon e críticas a evolução e destruição proveniente desta ao ambiente, recheiam a obra.

Embora tantas críticas, Le Voyage dans la Lune mantem-se até o fim em um tom leve e cômico.

Google – Doodle

Homenageando Georges e os 112 anos da obra À la conquête du pôle (À conquista do Polo), lançado no dia 3 de maio de 1912.

Esse é o primeiro Doodle interativo em realidade virtual em 360 graus.

Intitulado Back to the Moon, foi criado em parceria das equipes dos Doodle da Google, da Google Spotlight Stories, do Google Arts & Culture e da Cinemateca Francesa.

Para assistir a homenagem com a experiencia completa o ideal é ter um Google Cardboard ou um DayDream View, acessórios que são feitos para assistir aos vídeos nesse formato.

Porém, é possível adquirir o app Google Spotlight Stories, podendo navegar pelo vídeo mexendo o próprio celular. Baixe para Android e IOS.

A Invenção de Hugo Cabret

Georges Méliès já fora homenageado anteriormente com o excelente filme de Martin Scorsese A Invenção de Hugo Cabret, de 2011.

O filme retrata com quase fiel exatidão uma época verdadeira da vida de Georges, tornando esta homenagem uma experiencia sublime de encontro entre o inicio e o resultado da colaboração de gênios na sétima arte.

Afinal, quando um mestre é homenageado por outro mestre, temos uma viagem aos astros universais da arte!

 

Que ver mais façanhas do Google como seus Easter Eggs? Confere neste post!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *