Anos Incríveis – A série que narrou uma geração.

Anos Incríveis – A série que narrou uma geração.

postado em: Mãe, eu que fiz! | 0

Tente ler esta última frase com a voz rouca de Joe Cocker: “What would you think if I sang out of tune?”. Exato! O post de Hoje relembra a saudosa série Anos Incríveis.

Fora realmente Anos Incríveis. Originalmente Wonder Years, a série apresentou de uma forma orgânica e pessoal grandes questões de comportamento de uma geração. Mesmo que tenha se fixado na cultura norte americana pós-guerra, trouxe também elementos universais. Adolescência, futuro, amor e amizade são atemporais e não entendem fronteiras.

Ainda mais ver tudo isso embalado com uma trilha sonora de primeira, faz diferença. Aliás, a frase no início deste post é do tema de abertura da série: With a Little Help From My Friends, dos Beatles, na versão de Joe Cocker.

Anos Incríveis

Originalmente era para ser um filme, mas acabou por virar um seriado. A intenção era atrair a audiência da geração Baby Boomer, nascida após o final da Segunda Guerra Mundial, a partir de 1946 até 1964.

Dessa forma maneira encontrada para fazer isso foi retratar a típica família norte americana. Segundo a ABC, produtora de seriado, o nome da cidade onde a história se passava nunca foi mencionado. Isso para que a obra mostrasse uma rotina comum e típica dos Estados Unidos, se encaixando em qualquer um dos 50 estados.

De antemão, contada através do olhar da nova geração.

Kevin Arnold (Fred Savage), narra, literalmente, sua infância e adolescência, recordando os principais acontecimentos envolvendo sua família e seus amigos. A série vai de 1968 a 1973, mostrando Kevin entre os 12 e os 17 anos.

Da mesma forma, a medida em que a trama avançava, mostrava momentos marcantes da história dos Estados Unidos.

Naftalina Humor - Anos Incríveis

Série

A série estreou no dia 31 de janeiro de 1988, na emissora norte-americana ABC. Foram 115 episódios ao longo de 6 temporadas, com o último capítulo sendo exibido na TV americana em 12 de maio de 1993.

O primeiro capítulo foi exibido logo após o encerramento da transmissão do Super Bowl XXII, no qual o Washington Redskins se sagrou campeão da NFL.

O jogo foi assistido por mais de 80 milhões de espectadores, fato que colaborou para que o piloto da produção tivesse uma boa audiência.

Quer algo mais norte americano que isso? Isso é um dos motivos para seu sucesso. Mas não o único.

Sucesso

Na época, Anos Incríveis se destacou de outros seriados por fugir da fórmula clássica de sitcoms, evitando características como cenário único e claque de risadas marcando cenas de humor.

Outra característica marcante é sua trilha sonora, composta por hits dos anos 60 e 70. Pena que os direitos autorais tiraram belas músicas das versões posteriores lançadas em DVD e Streaming.

Curiosidades

Além do sucesso envolvendo os protagonistas, muita gente que se tornara famosa estreou na série, como Juliette Lewis, Jim Caviezel, Alicia Silverstone e David Schwimmer.

Na versão brasileira, Kevin Arnold era dublado por uma mulher. Sua voz era a da dubladora Angélica Santos, famosa por interpretar Cebolinha nos desenhos da Turma da Mônica.

Uma lenda urbana bastante recorrente nos primórdios da internet sugeria que Paul era interpretado pelo cantor Marilyn Manson, o que não passa de boato.

Naftalina Humor - Anos Incríveis- Marilyn

O fim

Muito se especula sobre o fim da série, até acusações de assédio. Tanto que o episódio final foi gravado sem que os atores soubessem que era seu final. O lance é ficar com o começo. Literalmente. A abertura da série era clássica!

 

Ficou nostálgico? Sabia que as fitas K7 estão voltando? Então, leia este post!

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *